Home

A produção ainda não acabou mas eu encerrei a minha participação no filme.

A memória continua cheia de imagens, sons, cheiros e sensações. Aprendi muito.

A primeira vez que falei com o César Charlone sobre o projeto ele me contou que a imagem que ele tinha para o filme era de ossos, muitos ossos. Ele queria retratar a nascente de uma nação. Encontrar o esqueleto sobre a qual colou a carne que é hoje sociedade uruguaia.

Em seguida ele me contou sobre o Artigas e seu fiel escudeiro Ansina. Ele queria desmitificar a figura do procer da nação. Desmitificar essa personagem que está na raiz da nossa sociedade que precisa de um pai para lhe proteger e ao mesmo tempo mimar. O filme não seria sobre o Artigas mas sobre o Ayuí.

Ele queria que o filme fosse sobre a paisagem humana. Que os olhares caíssem sobre esse lugar bruto de onde brotaria uma nova sociedade. O Ayuí era um território livre, um acampamento militar e um refúgio para civis que seguiam Artigas em busca de salvação, esperança, por medo… enfim sem saber muito onde isso ia dar. Ele queria um feliz sobre a coletividade, o poder e com heroís anônimos.Quase fantasmas da paisagem.

As armas.Abrigos provisórios feito de couro.

Trabalho de artesões que foram integrados a equipe para construir ambientes e lugares.Durante 15 dias convivemos com esse espaço. Ali ou você curava uma depressão ou se afundava de vez. O espaço aberto, o sol, a fumaça de tantas fogueiras, o cheiro de animais e excremento deles…Ou você se entrega com prazer ou se fecha e luta para chegar ao fim.

Uma viagem que para mim rendeu muita energia. Está sendo um trabalho ardúo. O César está fazendo um filme grande com poucos recursos. Precisa acreditar muito para chegar lá. Precisa saber equilibrar e lidar com o desequilíbrio. Precisa ter sorte e saber acolher a oportunidade. Uma das sábias escolhas dele foi o cinema digital. Perde-se alguma coisa na qualidade de imagem, é mais instável e não está feito para trabalhar nas condições que trabalhamos mas pudemos produzir muito material em pouco tempo. É um excelente recurso que ainda vai ser melhor desenvolvido e utilizado.

Estou feliz de estar de volta a minha casa. Afinal nesse ano passei seis meses viajando. Quem vier para o curso vai aproveitar a experiência deste trabalhos.

Até lá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s