Home

Tento lembrar e não consigo.

Nesses dias que estou em casa fazendo um trabalho de mesa acabo me distraindo e as idéias fogem.

Lembrei…

Em certo momento na Bahia passei a usar necessário/desnecessário ao invés de certo ou errado.

Resquícios de uma linguagem cheia de julgamentos e que nos bloqueiam terminamos por passar mais tempo analisando do que fazendo. Num mundo virtual em que é muito mais fácil colocar suas palavras ao vento a tentação é grande de se julgar tudo e a todos.

Experiência interessante foi a do Blindness/ Ensaio sobre a Cegueira em que percebemos o quanto o nosso ver está contaminado por nossa mente. Tome cuidado com que ingere, come, lê…ele pode ser usado por você contra você.

Um sentido corrompido diminui a percepção que fazemos de nós mesmos e do meio que nos cerca. O que faz com que nosso julgamento seja cego apoiado em lugares comuns e não na Consciência.

Para o ator ter percepção do que faz já é muito bom. É instantâneo e podemos confiar nela. A Consciência necessita mais tempo. Com isso não quero dizer descontrole ou descaso….

Pensamento depois de curso…

Vou começar a colocar esse tipo de pensamento dentro de um espaço que chamar Academia da Imaginação. Bem apropriado por que a imaginação é um músculo que precisa ser exercitado.

Um pensamento em “Devaneio

  1. Entendo a metáfora do “músculo” – mas eu gostaria de te propor mais uma, de “via neuronal”: o cérebro como uma rede de conexões extremamente complexa integrando uma série de funções que tem de acontecer juntas: tipo, quando eu aprendo a dirigir vou integrando uma série de funções (motoras, sensoriais, visuais, de atenção, emocionais etc. etc. ) que com o tempo vão se tornar automáticas porque foram criadas conexões que antes não existiam entre os neurônios. O cérebro, literalmente, cresce. Se daí eu tiver de aprender a dirigir na Inglaterra, na mão esquerda, novas conexões, com base nas já existentes, precisarão ser formadas. A imaginação e acriatividade tem a ver com a capacidade de formar cada vez mais e mais novas conexões: de integrar o já existente de fomas diferentes; de criar diálogos entre as diferentes capacidades e possibilidades. Acho que o ator é alguém que precisa levar ao extremo essas possibilidades, tornando-se, cada vez mais, um ser extremamente flexível e adaptável/transformável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s